PDF Imprimir E-mail
Escrito por Juliana   
Ter, 11 de Maio de 2010 14:08

"Dados de pesquisa recentemente divulgados do conta de que o Brasil desperdia 45% da gua captada para o consumo. Os economistas dizem que o desperdcio grande porque, no Brasil, a gua ainda muito barata. Penso que haja um fator de maior importncia: a falta de educao ambiental. Como educar leva tempo, nossas escolas precisam intensificar muito mais a conscientizao das crianas. No s as escolas, mas todos os logradouros pblicos e privados, as empresas, as associaes, os locais de lazer, os clubes e vrios outros. Seria extremamente til uma campanha de televiso permanente para economizar um bem precioso que j comea a faltar. Juzo, Brasil!",

artigo de Antnio Ermrio de Moraes.

Fonte: Folha de So Paulo, 2/12, Opinio, p. A2.

 

  PDF Imprimir E-mail

A combinao entre as mudanas climticas e a rpida industrializao deixou os pases da sia em uma crise por falta d'gua sem precedentes.

Um relatrio do Banco de Desenvolvimento da sia alertou que os recursos hdricos em pases como Bangladesh, Camboja e Vietn no acompanham o crescimento populacional aps anos de mau gerenciamento.

As mudanas climticas devem aumentar o risco de enchentes e secas, fatores difceis de lidar para uma indstria mal gerenciada.

Alm disso, a contnua urbanizao vista como um problema em particular, segundo o relatrio, ao passo que os pases em desenvolvimento da regio continuam a ficar para trs quando se trata de coleta, tratamento e disposio segura dos efluentes.

O autor do relatrio, professor Asit Biswas, diz que os lderes governamentais da regio precisam tomar aes decisivas para proteger os recursos hdricos.

"Agora h conhecimento, tecnologia e competncia suficientes disponvel na sia para resolver todos os problemas existentes e os futuros". Ele acrescenta que, se no futuro houver falta d'gua, no ser devido a sua escassez fsica, mas sim por causa do gerenciamento imprprio e inadequado do recurso.

* The Ecologist

 

Reserva Legal: Perguntas e Respostas

  PDF Imprimir E-mail

1. O que Reserva Legal?

A Reserva Legal - RL uma rea localizada no interior da propriedade ou posse rural, que deve ser mantida com a sua cobertura vegetal nativa, por ser a vegetao necessria ao abrigo e proteo da fauna e flora nativas, conservao da biodiversidade, reabilitao dos processos ecolgicos e tambm para viabilizar o uso sustentvel dos recursos naturais.

2. Quanto de Reserva Legal devo ter em minha propriedade ou posse rural?

A rea da Reserva Legal corresponde ao porcentual de cada propriedade rural onde a cobertura vegetal nativa deve ser mantida. Sua dimenso varia de acordo com a localizao da propriedade, o bioma e a regio, conforme o quadro abaixo:

Bioma/regio Percentual (%)

Amaznia Legal* 80
Cerrado na Amaznia Legal 35
Demais regies do pas
(Sul, Sudeste, Nordeste e maior
parte do Centro-Oeste) e campos gerais 20


* A Amaznia Legal, estabelecida no artigo 2o da lei n 5.173, de outubro de 1966, abrange os Estados do Acre, Amap, Amazonas, Mato Grosso, Par, Rondnia, Roraima, Tocantins, parte do Maranho e cinco municpios de Gois. Ela representa 59% do territrio brasileiro, distribudo por 775 municpios. (Fonte IBGE)

3. Com a edio do Decreto 7.029/2009, todos os imveis rurais, aps o dia 11 de junho de 2011, devero ter a sua Reserva Legal averbada. Como fico?

A exigncia da Reserva Legal decorre de previso do Cdigo Florestal, portanto todo o proprietrio rural j deveria ter promovido sua averbao. O Decreto n 7.029/2009 determina que aps 11 de junho de 2011 o proprietrio que ainda no tiver sua Reserva Legal averbada ficar sujeito s penalidades de lei. Os proprietrios que ainda no possuem a sua Reserva Legal averbada devem protocolar pedido de aprovao da localizao da sua Reserva Legal junto ao rgo ambiental competente ou outra instituio devidamente habilitada. E, aps a aprovao, averb-la no Cartrio de Registro de Imveis.

Vale lembrar que, aps o recebimento do pedido e durante o trmite do processo de aprovao da localizao da Reserva Legal junto ao rgo ambiental, o proprietrio rural no ser multado, pois a aplicabilidade da pena prevista no Decreto de crimes fica suspensa.

4. Serei penalizado se no possuir Reserva Legal averbada?

Caso voc, proprietrio rural, seja autuado (fiscalizado), ser advertido para, num prazo de at 180 dias, apresente termo de compromisso de regularizao da Reserva Legal. Ou seja, neste perodo, voc dever providenciar as medidas necessrias para aprovao da localizao e averbao da Reserva Legal.

Aps a aprovao da localizao da Reserva Legal o proprietrio ter prazo de cento e vinte dias para averbar em cartrio. Este prazo contado a partir da emisso dos documentos por parte do rgo ambiental competente ou instituio habilitada, ou seja, a partir do momento em que o proprietrio recebe o documento que aprova a localizao da rea de Reserva Legal no seu imvel.


5. O que o Programa Mais Ambiente?

o Programa do governo federal de apoio regularizao ambiental de imveis rurais, cujo objetivo promover e apoiar a regularizao ambiental de imveis rurais, com prazo de at trs anos para a adeso dos beneficirios, contados a partir de 10 de dezembro de 2009 (data da publicao do Decreto 7.029/2009).

A adeso ao Programa Mais Ambiente ser feita pelo proprietrio junto ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renovveis - IBAMA ou rgo ou entidade vinculada ao Programa devidamente habilitada.

O ato de adeso ao Programa Mais Ambiente dar-se- pela assinatura do Termo de Adeso e Compromisso, elaborado pelo rgo ambiental ou instituio habilitada.

Para aderir ao Programa Mais Ambiente ser necessrio firmar o Termo de Adeso e Compromisso. Para tanto o proprietrio dever apresentar as seguintes informaes:

I - identificao do proprietrio ou possuidor rural;
II - identificao do imvel por meio de planta e memorial descritivo, subscrito por profissional habilitado e com a devida Anotao de Responsabilidade Tcnica - ART, contendo a indicao das coordenadas geogrficas:
a) do permetro do imvel;
b) da localizao de remanescentes de vegetao nativa;
c) da proposta de localizao da Reserva Legal; e
d) da localizao das reas de preservao permanente;
O Termo de Adeso e Compromisso ao Programa Mais Ambiente ser simplificado para o agricultor familiar (detentores de reas de at cento e cinquenta hectares), o empreendedor familiar rural e os povos e comunidades tradicionais, sendo requisitos para firmar o documento:
I - identificao do proprietrio ou posseiro do imvel rural;
II - croqui do imvel rural, indicando seus limites, a rea de Reserva Legal proposta e as reas de preservao permanente; e
III - indicao e localizao de remanescentes de vegetao nativa.

A Localizao da Reserva Legal ser elaborado pelo rgo ambiental, instituio pblica ou privada devidamente habilitada, sem dispndio financeiro por parte dos beneficirios especiais.

Importante: Enquanto o rgo ambiental analisa o processo de aprovao da localizao da Reserva Legal, guarde o protocolo de ingresso do pedido de aprovao, pois ele o comprovante de que voc j tomou as providencias necessrias e est aguardando o "termo" para proceder a averbao no Cartrio.

A partir da data de adeso ao "Programa Mais Ambiente", o proprietrio ou possuidor no ser autuado desde que a infrao tenha sido cometida at o dia anterior data de publicao deste Decreto 7.029, de 10 de dezembro de 2009, e que cumpra as obrigaes previstas no Termo de Adeso e Compromisso

de responsabilidade do beneficirio do Programa Mais Ambiente apresentar, conforme definido pelo rgo ambiental no Termo de Adeso e Compromisso, informaes que auxiliem o acompanhamento e monitoramento dos compromissos assumidos.

6. Como proceder para realizar a regularizao da Reserva Legal da minha propriedade ?

Procure o rgo ambiental ou instituio habilitada para iniciar o processo regularizao da sua Reserva Legal segundo as orientaes abaixo:

1 passo: solicitar a adeso ao Programa Mais Ambiente no rgo ambiental competente ou outra instituio devidamente habilitada.

2 passo: Aps obtida a aprovao da localizao da Reserva Legal procurar o Cartrio de Registro de Imveis e promover a averbao.

Ao receber do rgo ambiental competente ou instituio habilitada, a aprovao da localizao da sua Reserva Legal, procure o Cartrio de Registro de Imveis, munido da documentao recebida pelo rgo ambiental e demais documentos de identificao, para proceder averbao margem da matrcula do imvel.

So considerados documentos hbeis comprovao da posse o Certificado de Cadastro de Imvel Rural - CCIR, termos de concesso ou cesso de imveis ou qualquer outro documento comprobatrio atualizado, devidamente reconhecidos por rgo ou entidade pblica.

7. O que a Averbao da Reserva Legal?

Averbar a rea de Reserva Legal significa incluir a informao sobre os limites da Reserva Legal na inscrio de matrcula do imvel, no Registro de Imveis competente, sendo vedada a alterao de sua destinao, nos casos de transmisso, a qualquer ttulo, de desmembramento ou de retificao de rea, com as excees previstas na Lei n 4.771/65 - Cdigo Florestal

8. A averbao da Reserva Legal Gratuita?

A Lei 4.771/65 (Cdigo Florestal) garante que a averbao da Reserva Legal da pequena propriedade ou posse rural familiar gratuita, devendo o Poder Pblico prestar apoio tcnico e jurdico quando necessrio.

9. Posso incluir reas de Preservao Permanente para compor a rea de Reserva Legal?

As reas de Preservao Permanente no fazem parte da rea de Reserva Legal e os proprietrios rurais devem declar-las separadamente e delas cuidar de acordo com a legislao vigente. Porm, ser admitido, pelo rgo ambiental competente, o cmputo das reas relativas vegetao nativa existente em rea de Preservao Permanente no clculo de percentual de Reserva Legal, desde que no implique em converso (desmatamento ou supresso de vegetao nativa) de novas reas para o uso alternativo do solo, e quando a soma da vegetao nativa em rea de Preservao Permanente e Reserva Legal exceder:

80% do imvel rural localizado na Amaznia Legal;

50% do imvel rural localizado nas demais regies do pas; e

25% da pequena propriedade.

Para fins de aplicao do Cdigo Florestal a pequena propriedade aquela que apresenta:

De 150 hectares se localizada nos Estados do Acre, Par, Amazona, Roraima, Rondnia, Amap, Mato Grosso e nas regies situadas ao norte do paralelo 13o S dos Estados de Tocantins e Gois, ao Oeste do meridiano de 44o W, do Estado do Maranho ou no Pantanal Mato-Grossense ou no Sul Mato-Grossense.
De 50 hectares no polgono das secas ou a leste do meridiano de 44W, do Estado do Maranho; e
De 30 hectares em qualquer outra regio do Pas.

10. O posseiro tambm tem que averbar a Reserva Legal?

Na posse, a Reserva Legal assegurada por Termo de Ajustamento de Conduta, firmado pelo possuidor com o rgo ambiental estadual ou instituio devidamente habilitada, contendo, no mnimo, a localizao da Reserva Legal, as suas caractersticas bsicas e a proibio de supresso de sua vegetao, aplicando-se, no que couber, as mesmas disposies previstas na legislao vigente para o imvel rural.

O Termo de Ajustamento de Conduta de Manuteno da Reserva Legal dever ser registrado no Cartrio do Ofcio de Registro de Ttulos e Documentos.

11. E se eu no tiver vegetao nativa na minha propriedade, como devo proceder?

O Cdigo Florestal, em seu art. 44, indica trs alternativas para quem no tem vegetao nativa no percentual exigido para a Reserva Legal. So elas: recomposio mediante plantio, regenerao natural e compensao em outra rea.


I - RECOMPOSIO

A recuperao da rea de Reserva Legal independe de autorizao do poder pblico e poder ser feita pelos seguintes mtodos:

I - conduo da regenerao natural de espcies nativas;

II - plantio de espcies nativas (mudas, sementes, estacas); e

III - plantio de espcies nativas conjugado com a conduo da regenerao natural de espcies nativas.

As orientaes para os procedimentos necessrios esto disponibilizados na Instruo Normativa MMA n 05, de 08 de setembro de 2009.


II - PERMITIR A REGENERAO NATURAL

Conduzir a regenerao natural da Reserva Legal, ou seja, adotar prticas que permitam e estimulem o desenvolvimento natural da vegetao.

III - COMPENSAO

uma alternativa para aquela propriedade que no dispe de vegetao nativa em extenso suficiente. Neste caso possvel destinar outra rea equivalente em importncia ecolgica e extenso, desde que pertena ao mesmo ecossistema e esteja localizada na mesma microbacia, a qual ser ento averbada como Reserva Legal da propriedade.

12. O que Reserva Legal em Regime de Condomnio?

uma rea destinada Reserva Legal, instituda por um grupo de proprietrio de imveis rurais que se associam em regime de condomnio, para formar a porcentagem exigida em Lei da Reserva Legal do conjunto de propriedades envolvidas.

Esta parceria uma alternativa para os proprietrios que no possuem em seus imveis o percentual mnimo de Reserva Legal se unem para escolher uma rea em um dos imveis, ou mesmo adquirir uma rea preservada em outro imvel, e destin-la como Reserva Legal do condomnio de propriedades.

A rea destinada para a Reserva Legal dos condomnios dever localizar-se na mesma bacia hidrogrfica e respeitar o percentual mnimo em relao a cada imvel, (inclusive do imvel adquirido para este fim).

O rgo ambiental competente dever aprovar a localizao da Reserva Legal e depois todos os imveis envolvidos devero proceder s averbaes da Reserva Legal em regime de condomnio, margem da matrcula de cada propriedade.

13. A Reserva Legal pode ser utilizada para produo de madeira? Que usos econmicos posso fazer nestas reas?

O Cdigo Florestal determina que a vegetao da Reserva Legal no pode ser suprimida, porm pode ser utilizada por meio do manejo florestal sustentvel. Assim, o interessado em explor-la para obteno de benefcios econmicos e sociais deve orientar-se pela INSTRUO NORMATIVA N 04, DE 08 DE SETEMBRO DE 2009, que dispe sobre procedimentos tcnicos para a utilizao da vegetao da Reserva Legal sob regime de manejo florestal sustentvel, inclusive para a explorao e comercializao de produtos madeireiros.

Vale lembrar tambm que as reas de Reserva Legal e de Preservao Permanente so isentas de Imposto Territorial Rural, devendo o proprietrio providenciar o Ato Declaratrio Ambiental (ADA), cujo formulrio esta disponvel na pgina do IBAMA: www.ibama.gov.br - servios online - Ato Declaratrio Ambiental - ADA.

14. Posso manter o plantio de rvores frutferas e espcies exticas na minha Reserva Legal?

Para o cumprimento da manuteno ou compensao da rea de Reserva Legal em pequena propriedade ou posse rural familiar, podem ser computados os plantios de rvores frutferas ornamentais ou industriais, compostos por espcies exticas, cultivadas em sistema intercalar ou em consrcio com espcies nativas.

Fonte: Ministrio do Meio Ambiente

 

APP e Reserva Legal: Perguntas e Respostas

  PDF Imprimir E-mail

1. O que so reas de Preservao Permanente?

So reas cobertas ou no por vegetao nativa, com a funo de preservar os recursos hdricos, a paisagem, a estabilidade geolgica, a biodiversidade, assim como proteger a fauna, a flora, o solo e assegurar o bem-estar das populaes humanas. Na rea de Preservao Permanente, a supresso da vegetao s ser autorizada em caso de utilidade pblica ou de interesse social. Contudo, importante lembrar que a lei permite o acesso de pessoas e animais s APP para obteno de gua, bem como a possibilidade de autorizao para supresso eventual e de baixo impacto, assim como atividades de manejo agroflorestal sustentvel praticadas na pequena propriedade ou posse rural familiar.


2. O que so as matas ciliares? Qual a sua funo?

As matas ciliares so as faixas de vegetao nativa situadas nas margens dos corpos d'gua. Parte delas so consideradas reas de Preservao Permanente, com metragens distintas conforme a largura do rio. As matas ciliares contribuem significativamente para a sustentabilidade econmica, social e ambiental do imvel rural. Alguns dos benefcios proporcionados pelas matas ciliares so:

I - Evitam a eroso e o empobrecimento do solo, funcionando como barreiras naturais que impedem o carregamento de terra trazido pela enxurrada, inclusive resduos de produtos txicos, causando o assoreamento dos rios e lagos e a consequente diminuio da oferta de gua, que o recurso natural mais valioso do imvel rural, alm disso ao prevenir o assoreamento mata ciliar atenua o efeito das cheias.

II - Oferecem condies favorveis de vida para a fauna silvestre e aqutica, pois servem de proteo e abrigo e produzem o alimento que os animais necessitam, como razes, folhas, flores, frutos e sementes.

III - Funcionam como corredores ecolgicos que conectam fragmentos florestais e proporcionam fauna o livre trnsito entre as reas protegidas, favorecendo o fluxo gnico

IV - Oferecem condies favorveis vida da populao em geral, pois abrigam populaes de polinizadores necessrios a produo dos alimentos, de dispersores de frutos e sementes entre outros.

3. O que constitui rea de Preservao Permanente?

a rea situada:

I - ao longo dos rios ou de qualquer curso d'gua desde o seu nvel mais alto em faixa marginal cuja largura mnima ser:

Largura do rio ou curso d'gua (metros) Largura mnima de APP (metros)
Inferior a 10..................... 30
De 10 e 50....................... 50
De 50 e 200.................... 100
De 200 e 600.................. 200
Superior a 600................. 500

b) ao redor das lagoas, lagos ou reservatrios d'gua naturais ou artificiais;
c) nas nascentes, ainda que intermitentes e nos chamados "olhos d'gua", qualquer que seja a sua situao topogrfica, num raio mnimo de 50 (cinquenta) metros de largura;
d) no topo de morros, montes, montanhas e serras;
e) nas encostas ou partes destas, com declividade superior a 45;
f) nas restingas, como fixadoras de dunas ou estabilizadoras de mangues;
g) nas bordas dos tabuleiros ou chapadas, a partir da linha de ruptura do relevo, em faixa nunca inferior a 100 (cem) metros em projees horizontais;
h) em altitude superior a 1.800 (mil e oitocentos) metros, qualquer que seja a vegetao.


4. Qual a forma mais simples para fazer a recuperao de reas de Preservao Permanente e de Reserva Legal?

Siga as orientaes contidas na INSTRUO NORMATIVA N 05, DE 08 DE SETEMBRO DE 2009, que dispe sobre os procedimentos metodolgicos para restaurao e recuperao das reas de Preservao Permanentes (APP) e da Reserva Legal (RL) e se necessrio, busque informaes complementares nos rgos de assistncia tcnica no seu municpio.

Mas, onde ainda existem florestas ou fragmentos de florestas naturais na bacia ou no entorno das reas de APPs e RL alteradas, com necessidade de recuperao, medidas simples podero ser adotadas como a utilizao de cerca em volta das reas, restringindo o acesso dos rebanhos ou animais. Dessa maneira, protege-se a vegetao que est se estabelecendo, promovendo assim a regenerao natural.

5. Porque proibido pelo Cdigo Florestal a ocupao ou utilizao das reas de Preservao Permanente?

Porque so reas sensveis ou frgeis, onde a proteo conferida pela cobertura vegetal essencial para garantir o bem-estar da populao e a proteo das propriedades, evitando transtornos aos moradores como: deslizamento de encostas de morros, alagamento de casas, eroso costeira, proliferao de doenas, entre outros prejuzos, rotineiramente noticiados na mdia nos perodos de chuvas mais intensas.

Apesar dessa restrio legal, a RESOLUO CONAMA 369/2006 apresenta os casos em que o rgo ambiental competente pode, excepcionalmente, autorizar a interveno ou supresso de vegetao em rea de Preservao Permanente-APP para a implantao de obras, planos, atividades ou projetos de utilidade pblica ou interesse social, ou para a realizao de aes consideradas eventuais e de baixo impacto ambiental nos seguintes casos:

1. INTERVENO OU SUPRESSO EVENTUAL E DE BAIXO IMPACTO AMBIENTAL DE VEGETAO EM REA DE PRESERVAO PERMANENTE

a) abertura de pequenas vias de acesso interno e suas pontes e pontilhes, quando necessrias travessia de um curso de gua, ou retirada de produtos oriundos das atividades de manejo agroflorestal sustentvel praticado na pequena propriedade ou posse rural familiar;
b) implantao de instalaes necessrias captao e conduo de gua e efluentes tratados, desde que comprovada a outorga do direito de uso da gua, quando couber;
c) implantao de corredor de acesso de pessoas e animais para obteno de gua;
d) implantao de trilhas para desenvolvimento de ecoturismo;
e) construo de rampa de lanamento de barcos e pequeno ancoradouro;
f) construo de moradia de agricultores familiares, remanescentes de comunidades quilombolas e outras populaes extrativistas e tradicionais em reas rurais da regio amaznica ou do Pantanal, onde o abastecimento de gua se de pelo esforo prprio dos moradores;
g) construo e manuteno de cercas de divisa de propriedades;
h) pesquisa cientfica, desde que no interfira com as condies ecolgicas da rea, nem enseje qualquer tipo de explorao econmica direta, respeitados outros requisitos previstos na legislao aplicvel;
i) coleta de produtos no madeireiros para fins de subsistncia e produo de mudas, como sementes, castanhas e frutos, desde que eventual e respeitada a legislao especfica a respeito do acesso a recursos genticos;
j) plantio de espcies nativas produtoras de frutos, sementes, castanhas e outros produtos vegetais em reas alteradas, plantados junto ou de modo misto;
k) outras aes ou atividades similares, reconhecidas como eventual e de baixo impacto ambiental pelo conselho estadual de meio ambiente.

2. UTILIDADE PBLICA

a) as atividades de segurana nacional e proteo sanitria;
b) as obras essenciais de infra-estrutura destinadas aos servios pblicos de transporte, saneamento e energia;
c) as atividades de pesquisa e extrao de substncias minerais, outorgadas pela autoridade competente, exceto areia, argila, saibro e cascalho;
d) a implantao de rea verde pblica em rea urbana;
e) pesquisa arqueolgica;
f) obras pblicas para implantao de instalaes necessrias captao e conduo de gua e de efluentes tratados; e
g) implantao de instalaes necessrias captao e conduo de gua e de efluentes tratados para projetos privados de aquicultura, obedecidos aos critrios e requisitos previstos nos 1o e 2o do art. 11, da Resoluo CONAMA 369/2006.

3. INTERESSE SOCIAL

a) as atividades imprescindveis proteo da integridade da vegetao nativa, tais como preveno, combate e controle do fogo, controle da eroso, erradicao de invasoras e proteo de plantios com espcies nativas, de acordo com o estabelecido pelo rgo ambiental competente;
b) o manejo agroflorestal, ambientalmente sustentvel, praticado na pequena propriedade ou posse rural familiar, que no descaracterize a cobertura vegetal nativa, ou impea sua recuperao, e no prejudique a funo ecolgica da rea;
c) a regularizao fundiria sustentvel de rea urbana;
d) as atividades de pesquisa e extrao de areia, argila, saibro e cascalho, outorgadas pela autoridade competente;

Pontos de Acordo entre Ministrio do Meio Ambiente, Ministrio do Desenvolvimento Agrrio, Organizaes No Governamentais Ambientalistas e Movimentos da Agricultura Familiar

Fonte: Ministrio do Meio Ambiente

Última atualização em Ter, 11 de Maio de 2010 13:49
 

  PDF Imprimir E-mail

Por Stnio Ribeiro, da Agncia Brasil

Braslia - O aquecimento global vai expandir a rea tropical do planeta, com conseqente aumento tambm da incidncia de doenas infecciosas restritas s regies de clima mais quente, como malria e dengue.

O alerta do professor do Departamento de Medicina da Universidade de Braslia (UnB), Pedro Tauil, com base em recente pesquisa da Organizao Mundial de Sade (OMS). Em entrevista nesta segunda-feira(10) Rdio Nacional, ele disse que o problema j pode ser constatado na Regio Sul.

De acordo com Pedro Tauil, o Rio Grande do Sul registrou, neste ano, o primeiro caso de dengue contrada no estado. Coincidentemente, lembrou o professor, o estado teve, em 2007, o maior nmero de dias da histria com temperaturas acima de 22 graus.

O professor da UnB diz que o caso evidencia possvel conseqncia da mudana climtica, com expanso da rea tropical para outras latitudes. Ele ressalta, no entanto, que a incidncia das chamadas "doenas tropicais" depende tambm de condies socioeconmicas, no apenas de natureza biolgica ou ambiental.

Ele explica que, por razes climticas, a dengue e a malria podem chegar aos Estados Unidos e Europa. Tauil, no entanto, acredita que a possibilidade de isso acontecer pequena porque os pases dessas regies so desenvolvidos, bem-estruturados na rea de preveno e assistncia sade.

Alm da disseminao de doenas tropicais, o professor mostrou-se preocupado com outra conseqncia das mudanas climticas: o aumento da incidncia de desastres naturais. Segundo o especialista, inundaes, tempestades, enchentes e secas provocaro mais danos sade pblica e risco de reduo da produo agrcola.

O professor pede maior engajamento da sociedade no combate s doenas tropicais. Segundo ele, no basta conhecer os cuidados para evitar doenas como a dengue, mas que as recomendaes venham acompanhadas de mudanas no comportamento da populao.

Apesar de o abastecimento regular de gua, coleta de lixo e fiscalizao sobre terrenos baldios e depsitos dependerem do poder pblico, Pedro Tauil ressalta que a vigilncia do ambiente domiciliar de cada um. "As pessoas sabem o que fazer, mas, por diferentes razes, no praticam os conhecimentos no ambiente domiciliar", disse o especialista.

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Próximo > Fim >>

Página 5 de 9
Cactus Web | Criação de Sites